domingo, 9 de julho de 2017

“Vamos esperar 15 dias”, disse Temer sobre as declarações de Tasso e Cássio


Em Hamburgo, Temer já sente o poder se esvaindo
Fernando Eichenberg
O Globo
O presidente Michel Temer reagiu nesta sexta-feira às declarações do presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, sobre o estado de “ingovernabilidade”, e do ex-deputado Cássio Cunha Lima, que num encontro com investidores disse que em 15 dias haverá um novo governo no país.  “Vamos esperar 15 dias. Acho que foi força de expressão, nada mais do que isso. Às vezes as pessoas se entusiasmam um pouco. O PSDB tem quatro ministérios, os ministros todos estão exercendo suas funções. Ainda agora me ligaram todos, um pouco dando explicações, dizendo todos que esta fala do senador Tasso (Jereissati) não condiz com aquilo que pensa a maioria do PSDB. Acho que não há este problema” – declarou o presidente em Hamburgo, onde se encontra para participar da reunião da cúpula do G20.
Questionado sobre a lealdade do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que assumirá a Presidência caso seja destituído do cargo, respondeu: “Acredito plenamente. Ele só me dá provas de lealdade, o tempo todo”. Sobre a prisão de seu amigo e ex-ministrio Geddel Vieira Lima, apenas disse: “Vamos deixá-lo explicar”. Temer disse ainda que é “zero” sua preocupação com a delação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, e também “zero” sua inquietação com as defecções em sua base aliada.
APOIO A MAIA – Em uma mudança de discurso que lembrou o tom usado pelo então vice-presidente Michel Temer, quando, em meio à crise que atingia Dilma Rousseff disse que era preciso alguém para “reunificar a todos”, a cúpula do PSDB lançou na quinta-feira, simbolicamente, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como presidenciável. Depois de mais de um mês flertando com o rompimento, o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), afirmou que Maia reúne as condições necessárias para promover estabilidade no país. Tasso destacou que o governo de Michel Temer está “chegando na ingovernabilidade” e disse ainda ver espaço para uma renúncia negociada do presidente da República.
— Se passar a licença para a denúncia, Rodrigo Maia tem condições, até pelo cargo que ele exerce, de presidente da Câmara, de juntar os partidos ao redor de um nível mínimo de estabilidade para o país. Não tenho a capacidade de dizer se Temer é culpado ou não, a Justiça vai fazer isso, mas tenho capacidade de dizer que estamos chegando à ingovernabilidade. Tem que haver agora um acordo para dar estabilidade mínima para se chegar a 2018 — afirmou Tasso, comparando a situação de Temer com a de Dilma Rousseff antes do impeachment.
DENÚNCIA NO STF – Caso a Câmara aceite a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o Supremo Tribunal Federal (STF) determine o afastamento de Temer do cargo, quem assume a Presidência provisoriamente é Rodrigo Maia.
Na quarta-feira, outros tucanos, como o líder na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), e o senador Cássio Cunha Lima (PB), já haviam defendido que o desembarque do governo se tornara inevitável. Em uma forte sinalização de que já vislumbra um novo governo, sem Michel Temer, o senador Tasso fez um esboço do que seria a composição ideal: manter a equipe econômica e os partidos que hoje sustentam a base, mas com perfis “intocáveis” em relação à postura ética.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário