terça-feira, 11 de julho de 2017

Temer agora está provando do próprio veneno


Resultado de imagem para temer vampiro charges
Charge do Elvis (Humor Político)
Bernardo Mello Franco
Folha
Michel Temer recebeu um empresário “em horário inconveniente” para tratar de assuntos “não republicanos”. Existem “sólidos indícios” de que a visita resultou no pagamento de propina. A denúncia que acusa o presidente de corrupção não é “inepta” nem “fantasiosa”. As afirmações acima não saíram de um discurso da oposição. São da lavra de Sérgio Zveiter, o relator do caso na Comissão de Constituição e Justiça na Câmara. Nesta segunda, ele deu parecer favorável ao afastamento de Temer da Presidência.
O relatório é mais um duro golpe no inquilino do Palácio do Jaburu. O texto desmonta diversos pontos da defesa do presidente, que insiste em atacar a Procuradoria e em contestar a gravação de sua própria voz.
ACUSAÇÃO GRAVE – Zveiter criticou os deputados que defendem o “arquivamento sumário” da denúncia. “A presente acusação contra o presidente Michel Temer é grave, e ela não se apresenta inconsistente, frágil e desprovida de força probatória”, disse.
O fato de o relator ser filiado ao PMDB deu um ingrediente especial ao parecer. Depois de comandar a rebelião do partido contra Dilma Rousseff, o presidente começa a provar do próprio veneno. Os peemedebistas perceberam que o navio de Temer pode naufragar e já disputam espaço no bote de Rodrigo Maia. A turma tem muitos defeitos, mas não carece de instinto de sobrevivência.
REMANEJANDO… – O Planalto acusou o golpe. Em uma semana, remanejou 20 deputados para tentar evitar uma derrota na CCJ. O troca-troca escancarou o enfraquecimento do presidente, que se gabava de contar com a maior base aliada dos últimos tempos.
“Minha vaga foi vendida para esses bandidos. Isso não é um governo, é uma organização criminosa”, vociferou Delegado Waldir, que foi removido pelo PR. O deputado perdeu a cadeira nesta segunda, minutos antes de Zveiter começar a ler o relatório. Ele saiu da comissão, mas promete infernizar Temer quando a denúncia chegar ao plenário.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário