quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Oposição deveria ‘lavar boca com soda cáustica’, diz tatuado de Temer


Defensor do presidente, Wladimir Costa (SD-PA) afirmou que "Temer não dinheiro para Cuba, nem para apoiar safadezas"; apesar de pedido, ele não mostrou tatuagem

Fernanda Lima / BAHIA.BA
Foto: Reprodução/Folha de S. Paulo
Foto: Reprodução/Folha de S. Paulo

Defensor ferrenho do presidente Michel Temer (PMDB), o deputado Wladimir Costa (SD-PA), que chegou a tatuar o nome do peemedebista no ombro, voltou a esquentar os ânimos na Câmara, nesta quarta-feira (2), para advogar em favor do aliado.
O congressista, indignado com o PT e o PCdoB, os quais chamou de “quadrilhas do crime organizado”, disse que os partidos “foram partícipes de um governo que quebrou o país”, afirmou que “Temer não dar dinheiro para mandar para Cuba, nem para apoiar uma série de safadezas” e recomendou que a oposição “lavasse a boca com soda cáustica para falar do presidente”.
“O governo Temer está resgatando o emprego. O trabalhador rural voltará a crescer. As mães terão oportunidades. As crianças terão creches”, clamou Costa, ao emendar que os colegas são “indecentes e incompetentes”.
Convicto de que a denúncia de corrupção passiva contra Michel Temer não avançará na Casa, o parlamentar falou que os parlamentares “deveriam se preparar para chorar”.
Aos risos, Jean Wyllys (PSOL-RJ) pediu que Costa mostrasse a famosa tatuagem, mas o tempo de fala do paraense à frente da bancada já havia sido finalizado.
São necessários 342 votos para que a matéria siga ao Supremo Tribunal Federal (STF). Se a Corte acatar a abertura da investigação, determinará o afastamento de Temer por 180 dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário