domingo, 16 de julho de 2017

ONG estima que projeto do governo vai dobrar o desmatamento até 2030



Resultado de imagem para desmatamento em fazenda de padilha
A imprensa até denuncia Padilha, mas nada acontece
Deu no Correio Braziliense
Ao propor o projeto de lei que transforma 27% da floresta nacional (flona) em Área de Proteção Ambiental (APA), o governo federal alegou que a mudança vai conter o desmatamento, ao permitir a regularização fundiária de quem está ocupando a região. Cálculo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) estima, porém, que o desmatamento na região pode mais que dobrar até 2030 e a emissão de 67 milhões de toneladas de CO2 (gás carbônico).
A organização considera que a APA é menos restritiva, permitindo praticamente qualquer tipo de ocupação, e isso significa que até 2030 pode haver corte extra de 138.549 hectares. Esse cálculo considera o ritmo do desmatamento dos últimos anos, que já levou a uma perda de 113.737 hectares na área da floresta nacional.
CONTROVÉRSIAS – Na nota em que justificou a nova proposta de redução da floresta enviada ao Congresso, o Ministério do Meio Ambiente afirmou que para “evitar qualquer possibilidade de aumento do desmatamento na APA”, foram incluídos dispositivos como: manutenção dos possíveis títulos emitidos à ausência de desmatamento ilegal e previsão de conversão de floresta para uso alternativo de no máximo 20% das propriedades.
Mas o resultado pode ser diferente. “Dada a dinâmica instalada na região, com sinais do governo de que os grileiros podem avançar sobre a floresta que depois haverá regularização, não é a APA que vai segurar”, afirma Paulo Moutinho, pesquisador do Ipam.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário