segunda-feira, 12 de junho de 2017

E a Globo perdeu a guerra


Resultado de imagem para renuncia de temer charges
Charge do Miguel (JC/PE)
Sebastião Nery
De repente, não mais que de repente, como diria o poeta, a Globo começou uma guerra de manhã e de noite já tinha perdido. A Bolsa disparou, o dólar apavorou, o mercado faturou, mas nada mais aconteceu. O presidente não caiu e a Globo assustava a nação com manchetes alarmantes o dia inteiro. Acionaram todo seu exercito gráfico repetindo as ordens da Lopes Quintas.  Por mais que labutassem nada acontecia. De manhã o Globo mixava nas bancas.
A madre superiora entregou os cristãos aos lobos. O mascote do camarote saltitou dia e noite de redação em redação procurando amarrar as ideias e não conseguia. As doces e alopradas globetes  chegaram a exaustão. A outra, sádica, ligou a carretilha  e não desligou mais. A ruiva verbosa deu azar: estava no pedaço em dia que não era de férias. A que não é prima apareceu tarde na tarde, perdeu tempo, no ar até hoje. A paulista do mensalão comandava a infantaria.
BRASIL DO FUTURO – A tarde passou e quanto mais a Globo repetia a renuncia esfriava as notícias. A solução foi pedir socorro ao janota que todo dia promete à Folha nova artilharia pesada.
Não se pensa em construir o Brasil do futuro, cultiva-se o Brasil arcaico, onde as ideias não florescem e em seu lugar o ódio, a raiva e a incompetência encontra terreno fértil. A sociedade torna-se amorfa alimentando sua esperança em falsos salvadores da Pátria. Caminho seguro para vender sonhos em um estado paternalista que possa mobilizar a população. É caminho certo para o desastre se as propostas populistas prevalecerem no cenário político de 2018, quando das eleições presidenciais. É rota segura para nos levar ao naufrágio, ao invés da prosperidade.
REUNIÕES DE LOBBIES – O professor Roberto Romano, de Ética Política da Unicamp, analisando o Legislativo, foi certeiro: “As chamadas bancadas do Congresso são reuniões de lobbies que vão de interesses econômicos a religiosos. São pessoas que não representam o eleitor indiferenciado, formal, mas interesses materiais muito específicos e opostos a outros interesses que foram preteridos. Isso traz problemas sérios, até mesmo ao desenvolvimento econômico.”
Em tradução direta, significa que a ação política praticada, em vastos setores, não tem compromisso com a população. Mas é preciso destacar que nela ainda habitam homens e mulheres honestos, competentes e dotados de espírito público. A restauração da verdadeira política tem neles a esperança de construção de realidade diferente do presente que vivemos. Enxergando o futuro.
TIPOS DE CORRUPÇÃO – Ante os escândalos recorrentes de corrupção que vem marcando o tempo atual no Brasil, o professor José de Souza Martins, da USP, constata que somos muito originais: temos a “corrupção altruísta”, a “corrupção cívica”, que pode dilapidar o patrimônio do Estado e a “corrupção Robin Hood”, que visaria o bem comum. Com ironia afirma: “Corrupção de esquerda não é corrupção. Corrupção de esquerda é corrupção para o bem, não é para enriquecimento privado. Há esse equívoco permeando todo esse processo. Isso é um tremendo equívoco, porque é corrupção do mesmo jeito.”
Encarneirada nessa realidade, onde corrupção é adjetivada, boa parte da classe política está mais preocupada com o seu destino e não com a sociedade que se fazem representar, submetem-se as Odebrechts e JBSs. Os interesses do País são secundários. Sanear contas públicas, modernizar o Estado com reformas, garantindo a retomada do crescimento econômico, deixa de ser programa de governo.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário