sexta-feira, 9 de junho de 2017

Acredito que a OAS está tentando retardar o processo, avalia Sílvio Pinheiro



Por Redação BNews | Fotos: Gilberto Júnior//BNews
O ex-secretário de Urbanismo (Sucom) na primeira gestão do prefeito ACM Neto (DEM), Sílvio Pinheiro, saiu em defesa da licitação realizada prefeitura de Salvador para implantação do primeiro trecho do BRT, mas que foi suspensa pela Justiça a pedido da OAS.
"Não conheço os termos da liminar, nem da ação proposta pela OAS. Numa licitação desse porte, existem questionamentos por parte de licitantes. Muitas vezes, o licitante entra com ação para adiar, porque não tem uma certidão, naquele momento não está apto a participar, ou porque tem um débito fiscal. [...] Eu acredito até que a empresa está tentando retardar o processo para tentar resolver alguma questão de certidão ou algum impedimento", disse Sílvio Pinheiro durantre entrevista ao apresentador Zé Eduardo, na Metrópole FM, na manhã desta sexta-feira (9).
"O que eu sei é que foi um processo absolutamente transparente. Inclusive, com roadshow em São Paulo, em Salvador, na Fieb, onde todas as empresas do país foram convidadas a participar. O secretário Fábio Mota [Mobilidade], o secretário Luiz Carreira [Casa Civil], os dois responsáveis por pilotar esse projeto, têm dado a maior transparência possível. Não é à toa que mais de dez empresas, aliás, mas de dez consórcios, que muitas vezes tem duas ou mais empresas associadas para participar na licitação", mencionou.
Segundo o ex-titular da Sucom, o número de entidades interessadas "demonstra que foi uma licitação absolutamente aberta". "A OAS está no direito dela de questionar, agora, existem coisas que nos assustam. Uma licitação desse porte o juiz conceder liminar sem ouvir, para a prefeitura não é algo normal", criticou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário