domingo, 6 de agosto de 2017

Socorro! O Estado do Rio de Janeiro está morrendo!


Resultado de imagem para RIO DE JANEIRO EM GUERRA
A PM trava uma guerra desigual e interminável
Hildeberto Aleluia
Blog aleluiaecia
O Estado do Rio de Janeiro mais parece uma nau sem rumo navegando num oceano revolto. O mais triste e preocupante é a guerra civil instalada nas ruas de suas principais cidades. Nos últimos meses as estatísticas nos dão conta da morte de um policial por dia. São 91 mortos, assassinados nos últimos seis meses. Acuada, a Policia contabiliza seus mortos sem o pranto da sociedade E segue em frente em situação desesperadora. Falta de tudo. Da tinta de impressora numa delegacia de bairro para registrar uma simples queixa contra um furto a dinheiro suficiente para manter operando seu infinito aparato de segurança publica. Sem contar com salários atrasados e pagos parceladamente.
E não é só a polícia. Falta tudo em todos os setores. E falta ao Estado, sobretudo, administração. É uma calamidade comandada por um Governador inexpressivo, apático, inapto e sem luz própria. Seu secretariado segue à risca o seu perfil. Ele personifica o retrato do Estado. Aqui e alí ve-se a população fazendo justiça com as próprias mãos. Como num Estado islâmico moderno.
CADÊ O EXÉRCITO? – Agora o Exército chegou. Em alguns bairros da cidade do Rio de Janeiro os soldados foram recebidos com palmas. O ministro da Defesa, Raul Jungman diz nos jornais que vai ser uma guerra. Ele não sabe que a Cidade vive em guerra faz muitos anos.
Como diz a jornaleira da esquina da minha rua: “Metade da população da cidade do Rio de Janeiro vive de arrumação”. Por “arrumação ” se entenda como um golpe aqui, outro acolá. Venda de drogas e armas, assaltos, grandes e pequenos. Roubo de toda espécie, revenda de mercadorias roubadas, receptação de mercadorias e peças de automóveis e tudo mais que se entenda como pequenos e grandes crimes.
MAIS QUE ISSO – Vai longe um tempo em que o então prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Cesar Maia, afirmava que dois milhões de habitantes da Cidade viviam do crime. Hoje é muito mais que isso. Outra autoridade, o ex-governador Sergio Cabral, disse um dia que a favela da Rocinha, com seus 80 mil moradores não passava de uma fábrica de marginais.
São eles os mesmos governantes que incentivaram e mantiveram políticas de estímulo à natalidade na base da pirâmide social do Estado. Incentivam com recursos de todas as espécies, inclusive financeiro. Depois que a criança nasce não tem direito a mais nada. Nem escola, nem saneamento, nem saúde e nenhum tipo de assistência que evite seu caminho acelerado para a marginalidade. Assim a criança cresce destinada a dar trabalho para a Polícia.
Um exército de ONGs sobrevive defendendo essa política suicida. E tem as religiões. Todas. No mar de ignorância de desassistidos proliferam inúmeras instituições sob a teta do mesmo Estado que a produz.
UM MILAGRE – Nesse círculo vicioso da desgraça, estimulado pelo Estado e suas autoridades, exige-se da Polícia um milagre. É certo que as Forças Armadas poderiam dar um alívio na situação de horror que a Cidade vive hoje. Um pequeno alívio. Elas já vieram de outras vezes. Já ocuparam favelas imensas. E a cada vez a situação é mais desesperadora. E Deus nos salve de tragédias maiores.
Forças Armadas não foram feitas para combater a criminalidade urbana.  Vai haver tragédias. Só não sabemos a hora. A aptidão e o preparo para a guerrilha urbana só a polícia tem. Mas coitada de nossa polícia. Mal preparada; mal remunerada; mal armada; salários atrasados; acuada, a população exige dela uma atuação impossível. Para tudo se chama a polícia no Estado do Rio de Janeiro. O Estado sumiu. E a Polícia sente-se impotente.
DESCALABROS – O Estado Rio de Janeiro tem polícia. Um contingente considerável. E tem também descalabros administrativos inimagináveis. Bastaria os recursos financeiros drenados por elisão fiscal e incentivos fiscais desnecessários dos governos Cabral e Pezão, e se aplicados na polícia estadual, para termos a melhor polícia do Brasil. Foram bilhões e bilhões pelo ralo e para o bolso dos governantes. A população carioca e fluminense, que vive numa sociedade corrompida, exige do seu policial postura e comportamento de super-homem.
Não concebe que ele, o policial, seja susceptível a todas as mazelas que lhes aflige. Não concebe seus governantes, primeiro, como os responsáveis pela situação que nos aterroriza. Sem contar que o policial conta com a legislação desfavorável e quando não com a leniência e omissão da justiça em muitos casos.
A Polícia prende. A Justiça solta. Ele, o policial, no exercício da profissão também paga com a vida tanto quanto muitos dos que reclamam por segurança. Sempre em desigualdade de armamento com a bandidagem, ele é a primeira vítima, depois das balas perdidas. Sem contar que a chamada opinião publica lhes sacrifica a cada dia. Tenho pena da polícia.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário