segunda-feira, 26 de abril de 2021

EUA vão repassar 60 milhões de doses da vacina de Oxford a outros países

 


Quase 140 milhões de pessoas já receberam pelo menos uma dose de alguma vacina nos Estados Unidos, o equivalente a 42% da população.

Tribuna da Bahia, Salvador
26/04/2021 16:40 | Atualizado há 1 hora e 15 minutos

   
Foto: Reuters

Os Estados Unidos começarão a compartilhar até 60 milhões de doses da vacina da AstraZeneca com outros países, assim que estiverem disponíveis, confirmou pelo Twitter o conselheiro sênior para a pandemia da Casa Branca, Andy Slavitt. Quase 140 milhões de pessoas já receberam pelo menos uma dose de alguma vacina nos Estados Unidos, o equivalente a 42% da população.

A notícia foi adiantada pela agência Associated Press, que afirmou mais cedo que as doses seriam compartilhadas nos próximos meses, após uma revisão federal de segurança. A Casa Branca, no entanto, não deu detalhes sobre a data e nem que países receberiam a vacina.

O governo de Joe Biden, que em março anunciou que enviaria cerca de 4 milhões de doses da vacina da AstraZeneca para Canadá e México, está sob pressão crescente para expandir o compartilhamento de seu estoque com a Índia e outros países. Usando legislação da Guerra da Coreia, o governo americano bloqueou as exportações tanto de vacinas quanto de matérias primas para sua fabricação, com o argumento de que era necessário primeiro garantir a imunização dos americanos.

Os EUA adquiriram 30 milhões de doses da vacina, hoje armazenadas em um depósito no estado de Ohio, mas elas ainda não podem chegar aos braços dos americanos porque o laboratório não terminou os testes da fase 3 nos Estados Unidos. Por isso, o governo não fez o pedido de uso emergencial à FDA, agência responsável por autorizar medicamentos no país, equivalente à Anvisa.

A AstraZeneca já foi liberada por cerca de 70 países, incluindo o Brasil, onde é a principal aposta do governo de Jair Bolsonaro, além do Reino Unido e da União Europeia (UE), onde há problemas no fornecimento das doses.

— Dado o forte portfólio de vacinas que os Estados Unidos já possuem e que foram autorizadas pelo FDA, e dado que a vacina AstraZeneca não está autorizada para uso nos Estados Unidos, não precisamos usar a vacina aqui durante os próximos meses — confirmou o coordenador da Covid-19 da Casa Branca, Jeff Zients. — Portanto, os Estados Unidos estão procurando opções para compartilhar as doses do AstraZeneca com outros países à medida que forem disponibilizadas.

Com a vacinação avançada, a taxa de novos casos de Covid-19 está diminuindo no país, com menos de 60 mil casos diários registrados em média nos últimos sete dias, pela primeira vez em mais de um mês.

Mais cedo, a diretora-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, pediu aos países mais ricos que exportem mais vacinas para ajudar governos que estão tendo dificuldades para conseguir doses dos imunizantes. Okonjo-Iweala elogiou União Europeia (UE), China e Índia por exportarem um percentual substancial das doses produzidas em seus territórios e disse que esperava que os Estados Unidos e o Reino Unido fizessem o mesmo.

— Exorto os países que não estão compartilhando ou exportando a fazê-lo o mais rápido possível — disse a diretora da OMC, em uma conferência organizada pela União Europeia. — Seria ótimo se Reino Unido e EUA também pudessem exportar algumas das vacinas feitas e acho que eles estão se preparando para isso.

Nesta segunda-feira, a UE entrou com um processo contra a AstraZeneca por violação de seus compromissos de entrega de vacinas contra a Covid-19, aumentando a disputa entre a farmacêutica e os 27 governos do bloco em relação à distribuição de vacinas.

Fonte: O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário