segunda-feira, 19 de abril de 2021

Emerson Fittipaldi pede mais apoio para nova geração de pilotos brasileiros

 


Em entrevista exclusiva, o bicampeão mundial de Fórmula 1 comenta sobre o futuro do automobilismo no Brasil e o sucesso de sua família no esporte

Emerson Fittipaldi dispensa apresentações. Bicampeão da Fórmula 1, primeiro brasileiro a vencer o torneio, Emerson foi uma figura essencial para a consolidação do automobilismo no Brasil. Abriu espaço para uma vitoriosa história do esporte no país, que hoje conta com 8 campeonatos mundiais, graças a Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna.

Além desta importância a nível nacional, Emerson também teve uma influência fundamental em sua família, que construiu uma grande história no automobilismo, tendo se tornado a primeira família do mundo na qual quatro membros já participaram de um GP na Fórmula 1 (além de Emerson, seu irmão Wilson, seu sobrinho Christian e seu neto Pietro).

E a “dinastia” não para de crescer. O mais novo piloto da família é Emmo Fittipaldi Jr., seu filho de 13 anos, que neste ano irá competir na Fórmula 4 da Dinamarca. Essa categoria não existe no Brasil, e na opinião de Emerson seria extremamente importante para a descoberta de novos talentos nacionais. Em entrevista exclusiva para o Site de Apostas, Emerson Fittipaldi comentou sobre as conquistas de sua família, sua vitoriosa carreira e o futuro do automobilismo no Brasil. Confira!

Você foi o primeiro piloto brasileiro a competir na Fórmula 1 e também o primeiro a vencer o maior campeonato de automobilismo do mundo. Pode-se dizer que você abriu os caminhos para a história do esporte no Brasil?


Fui um dos primeiros. Ao mesmo tempo, havia meu irmão Wilson e Carlos Pace, outro bom motorista. Nós três, e depois seguidos por tantos bons pilotos brasileiros: Nelson Piquet, Ayrton Senna.

O público brasileiro então pensou: “A Fórmula 1 é tão fácil! Temos três campeões mundiais!”, e isso foi um problema. Tivemos grandes pilotos, Barrichello, Felipe Massa... A história dos pilotos brasileiros é fantástica e eu tenho muito orgulho.

Porém, é difícil voltar a ganhar um campeonato. Eu olho para a nova geração, muitos jovens pilotos brasileiros vêm do karting, como o Emmo (Emerson Fittipaldi Jr, filho de Fittipaldi). É uma nova geração, espero que um dia tenham a oportunidade de ser campeões mundiais. É um longo caminho, muito difícil. Mas o Brasil adora corridas! Primeiro o futebol, depois as corridas.

O Brasil tem uma história muito vitoriosa na Fórmula 1 tendo vencido 8 campeonatos mundiais, porém o país poderia ser muito mais vitorioso se houvesse um investimento maior no esporte. Quais são as dificuldades que um piloto de Fórmula 1 enfrenta no Brasil?

Sim, acho que a razão de não termos um brasileiro dirigindo a F1 agora é porque houve uma lacuna, onde não teve apoio nas bases da corrida. Não temos Fórmula 4 no Brasil e deveríamos ter. Eles precisam ajudar pilotos desta idade, e ainda mais jovens, muitos não têm oportunidade. Espero que em um futuro próximo eles tenham. A geração mais jovem precisa de apoio, o Brasil adora correr e precisamos da nova geração. Existem ótimos talentos em karting, temos quatro ou cinco jovens pilotos brasileiros muito bons despontando. O país pode se sair bem, mas é um longo caminho até a F1.

Quais são as principais diferenças entre a Fórmula 1 da sua época e a de hoje em dia?

A principal diferença é a segurança. É muito mais seguro agora. A eletrônica, a telemetria, o motor, para ajudar o motorista a desenvolver um carro e dirigir melhor. Hoje é mais fácil tirar informações do carro do que as que tínhamos. Mas chegar ao limite e quebrar os últimos cinco metros é mais difícil hoje em dia do que naquela época.

Qual foi a emoção ao assistir a estreia do seu neto Pietro Fittipaldi na Fórmula 1 no ano passado?

Eu estava muito ansioso para ver meus netos competindo na F1! Acho que o Pietro fez um bom trabalho, porque não dirigia há um ano. Mas ele foi bem, terminou a corrida, não cometeu nenhum erro. Agora continua como piloto reserva e espero que tenha outra chance de voltar. Estou animado que meus netos estão correndo.

Com a estreia de Pietro, a família Fittipaldi se tornou a primeira na história do esporte a ter quatro pilotos que participaram de um GP na principal categoria do automobilismo mundial. Quais são os motivos que levaram a família a esse patamar? Foi influência do seu pai?

Meu pai me influenciou. Ele era um jornalista de corrida, eu adorava. Quando eu tinha cinco anos, percebi que queria ser piloto de corrida. E minha mãe também corria, como amadora. Meu pai correu, e depois o avô da minha esposa, foi o primeiro a importar um Porsche para o Brasil. Eu tinha sete anos. Emmo tem “sangue de corrida” de ambos os lados, da família da mãe e de mim. Você tem paixão, as duas famílias juntas, pai e mãe - uma família de corrida.

Você já chegou a presenciar muitos acidentes graves na sua carreira (Jochen Rindt, François Cevert, Nick Lauda). Como você lidava com esses momentos psicologicamente? Teve algum episódio que te fez pensar em parar de competir?

Sempre foi muito difícil. No meu primeiro Grande Prêmio, Jochen Rindt morreu, o que para mim foi um grande trauma. Eu era muito jovem quando percebi que isso poderia acontecer. Aí eu tinha que estar com essa mentalidade, quando chegava ao paddock, pensar comigo mesmo: estou aqui para curtir as corridas, estou aqui para me divertir, estou aqui para dirigir rápido, ter muita fé e ir em frente. Mas foi um momento difícil.

Em 1972, quando ganhei meu primeiro campeonato, eu era muito jovem. Voltei para casa na segunda de manhã e almocei com meu pai e meu irmão. Disse ao meu pai “Vou me aposentar ”. Ele olhou para mim e disse: “Você tem apenas 25 anos e vai se aposentar das corridas?”. Pensei “Saí do Brasil para ser piloto, para ser campeão mundial, o que mais eu quero? Eu tenho tudo agora! ”. E então ele disse algo muito importante. “Como você adora correr, se você se aposentar agora, vai querer voltar depois de um ou dois anos. Você ficará louco para voltar e será muito mais difícil. Você deve continuar”. E ele estava certo. É muito difícil voltar. Meu pai foi muito bom para mim, ótimo conselho. Essa época foi muito difícil, perdi muitos, muitos amigos. Os primeiros três anos que tive na F1 foram um desastre, teve incêndios: os tanques de combustível não eram seguros. De qualquer forma: estou aqui agora, isso é passado, tenho Emmo e uma corrida na Dinamarca, em um carro muito mais seguro.

Você teria apoiado a geração mais jovem da sua família a competir se hoje em dia não fosse mais seguro que antes?

Eu os teria apoiado, não encorajado, se fosse o que eles queriam. Tudo ainda pode acontecer, mas agora existem limites de segurança. Essas crianças são tão protegidas que ficam mais seguras do que andar de kart. Go-kart é mais perigoso do que F1, porque o Go-Kart é muito exposto. É como uma motocicleta. Dentro da Fórmula 1, é muito mais seguro.



Imagens relacionadas


Dennis Frandsen
baixar em alta resolução


 

Sherlock Communications     Stella
(11) 9757-2558

Nenhum comentário:

Postar um comentário