segunda-feira, 19 de abril de 2021

A revolução no ensino é o único jeito de não perdermos gerações para a ignorância

 


A pandemia incitou a digitalização da experiência e escancarou as transformações no modo de ser e saber já em curso desde o final do século XX. Ao exigir o uso coletivo da tecnologia como mediadora das relações e do ensino, o isolamento social massificou uma pergunta que nós, educadores, temos feito há algum tempo: Quais são as melhores formas de promover o conhecimento nesse mundo de saberes fluidos e em metamorfose permanente?


Pensando como reitora, professora e permanente aluna, invoco o conhecimento disruptivo o como âmago das minhas reflexões. Sei que despir-se da Pedagogia Tradicional exige esforço para aqueles educados sob a narrativa da repressão travestida de ensinamento. Pouco tempo nos separa da palmatória - que só virou crime no Brasil nos anos de 1980. Contudo, precisamos encarar que os novos que meios de aprender reivindicam transversalidade. Felizmente, nas últimas quatro décadas a pedagogia integrou a subjetividade, as interações humanas e a lógica digital na construção uma nova forma de conhecimento.


O jeito de apreender o mundo é via experiência e o conteúdo é multidisciplinar, digital e, paradoxalmente, inclui os afetos. Parece simples, mas é um desafio imenso para toda a sociedade. Em meio a tantas possibilidades, como selecionar as melhores tendências de ensino agora impactadas pelo contexto pandêmico? Compartilho algumas metodologias que considero eficientes para o hoje que se apresenta.


A prática como base metodológica do ensino não é novidade. Mas ganhou destaque e nova roupagem por ser peça-chave da inovação. No universo da aceleração, colocar a mão na massa enquanto se embasa na teoria resulta na transformação de estudantes em empreendedores participantes de negócios de alto impacto econômico. E deve ser regra. No mercado de trabalho de hoje, experimentar o conhecimento é sinônimo de formar-se. Vale ressaltar que ensinar também converter-se em aprender já que a relação docente-aluno também está em transição. Em um cenário ideal, o encontro viabiliza a relação mentor-aprendiz, cabendo a alternância de papéis. Aprender com a existência digital da juventude 4.0 é uma maneira inovadora de (re)formar o professor. Essa é uma das riquezas do processo educativo contemporâneo que tenho provado em minha carreira permanentemente.


Já a construção de parcerias de escolas e faculdades com empresas é outra atualização de formato pedagógico promissor. Provocar alunos a desenvolverem projetos e entregarem produtos reais ajuda a identificar possíveis talentos e ainda fortalece a relação dos estudantes com o mercado. Construir e alimentar uma rede de relacionamentos estratégica e ascendente é legado para toda a carreira.


Há ainda programas de ensino híbrido que primam pelo conhecimento técnico e pela Inteligência Artificial (AI) da mesma forma que fortalecem a autoestima, a solução de problemas, a empatia, a resiliência e outros aprendizados da inteligência emocional (EI), desejáveis a profissionais e preciosos para crescimento pessoal. 


No inovador formato de educação Glocal (conhecimento global de aplicação local) a oferta de expertise para pensar no macro como meio de executar o micro. Uma grade curricular que disponibiliza conteúdos, práticas e experiências com vista em identificar e desenvolver as potencialidades de cada um é um incremento que considero interessantíssimo no escopo educativo.


Então, existe uma metodologia mais adequada? Acredito que muitas. Entretanto, alerto que antes de definir um método é preciso abrir-se para experiência. Entender o novo arcabouço que compõe o aprendizado é o melhor começo. Pensar a educação como exercício social e não apenas como um modo, amplia as possibilidades de acerto. E aceitar que toda forma de ensinar está em constante transformação porque se trata de um fenômeno social é uma urgência coletiva. E, dessa forma, todos devem comprometer-se com uma revolução do ensino que acontece cada dia. Esse é o caminho mais eficaz para não perderemos gerações para a ignorância. Estou certa que apesar da instabilidade generalizada que assola o mundo por causa do Coronavírus o povo brasileiro conseguirá colocar em a prática da renovação do conhecimento.


Artigo de Geneviève Polingue - Economista, especialista em Inovação em Educação e CEO da SKEMA Business School



22 Graus Comunicação e Marketing |Élida Ramirez

Tel: +55 31 995260189

Email: elida@22graus.com.br


Todos os direitos reservados

Empresa 2020

Endereço

Rua das oliveiras, 222 - 7º andar - São Paulo - SP

CEP: 12345-000

Não deseja mais receber nossos e-mails?

Você pode descadastrar seu e-mail

Nenhum comentário:

Postar um comentário