quinta-feira, 13 de julho de 2017

Zveiter diz que é ‘ameaçado’ por PMDB após admitir denúncia contra Temer


Relator da queixa na CCJ, o peemedebista não amansou o discurso e afirmou que, "se soubesse que para entrar no partido, teria que receber propina", nem "teria entrado"

Fernanda Lima / BAHIA.BA
Foto: Reprodução/G1
Foto: Reprodução/G1

Relator da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), o deputado federal Sérgio Zveiter (PMDB) não amenizou o discurso diante da pressão exercida por sua agremiação e pelos parlamentares aliados ao chefe do Executivo Nacional.
O carioca, que antes negava a possibilidade de deixar a sigla, não só admitiu que poderá sair do PMDB, como acusou o partido, durante sessão na tarde desta quinta-feira (13), na CCJ, de “ameaçar” expulsá-lo.
“Se eu soubesse que para entrar no partido, teria que estar disposto a receber dinheiro, ou melhor, propina, eu nem teria entrado. A executiva nacional do partido se esqueceu dos preceitos deixados por Ulysses Guimarães. Agora, ela se acha a dona da verdade”, declarou o parlamentar.
Zveiter tem sido imprensado pelos colegas de partido desde que emitiu parecer favorável ao prosseguimento da denúncia contra Temer no colegiado, na última segunda (10).
Independentemente das críticas, o parlamentar afirmou que “não há dúvidas que Michel Temer foi flagrado designando Rodrigo Rocha Loures para tratar de propina”, e disse pretender manter sua posição diante da denúncia de corrupção que pesa contra o presidente.
“Se não ficar claro nesta denúncia, ficará em outra. É nossa luta por um país mais digno. O deputado falou ‘ah, vai morrer de fome’, não vou não, eu sou advogado, eu estudo”, continuou, em resposta ao momento de exaltação de Wladimir Costa (SD-PA), que o chamou de “burro” enquanto defendia Temer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário