quarta-feira, 5 de julho de 2017

Padilha imita Temer e se recusa a responder às perguntas da Polícia Federal


Charge do Bier (Arquivo Google)
Camila Mattoso
Folha
A Polícia Federal perguntou ao ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) se foi Michel Temer quem pediu R$ 10 milhões para a Odebrecht, em 2014, em um jantar no Palácio do Jaburu. O episódio, relatado em delação por executivos da empreiteira, está sendo investigado desde abril, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou dezenas de inquéritos sobre políticos. À PF, porém, Padilha se calou. Os delegados elaboraram 14 perguntas ao ministro.
Temer não é investigado pelo Supremo neste caso, já que a PGR (Procuradoria-Geral da República) entende que há “imunidade temporária” para o presidente em atos estranhos ao exercício de suas funções.
INTERMEDIÁRIO – Segundo os delatores, o jantar aconteceu em maio de 2014 e o dinheiro foi solicitado para campanhas do PMDB. Padilha é apontado como o intermediário.
Há uma divergência, porém, na versão dos executivos da empreiteira sobre a presença de Temer no momento do acerto. Marcelo Odebrecht afirmou aos procuradores que o presidente se levantou da mesa na hora em que o valor foi firmado.
Já Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, disse que Temer acompanhou a negociação. Ambos concordam, entretanto, que o presidente tinha conhecimento.
A PERGUNTA – “Confirma que nessa reunião foi reafirmado um pedido de Michel Temer para Marcelo Odebrecht relacionado a R$ 10 milhões para a campanha do PMDB?”, foi uma das perguntas da PF.
De acordo com a PGR, o episódio tem de ser investigado pela possibilidade de que o dinheiro possa ter sido doado em propina, com contrapartidas oferecidas mais tarde pelo governo.
No pedido de abertura de inquérito, a PGR indicou uma série de medidas a serem cumpridas. A PF, no entanto, disse que não foi possível realizar todas no tempo determinado (30 dias) e pediu mais 90 dias. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou para aumentar o prazo, mas só por mais 30 dias. O ministro Edson Fachin, relator no STF, ainda não decidiu sobre o tema.
PAVÃO E YUNES – De acordo com delatores, uma parcela dos R$ 10 milhões foi entregue em um escritório de Padilha no Rio Grande do Sul a uma pessoa chamada Luciano Pavão e outra, no escritório do ex-assessor de Temer José Yunes, a uma pessoa de nome Cida.
No início do ano, quando as revelações se tornaram públicas, o Palácio do Planalto soltou uma nota confirmando que o presidente havia feito um pedido para a Odebrecht, mas que “não autorizou nem solicitou que nada fosse feito sem amparo nas regras da lei eleitoral”.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário