terça-feira, 4 de julho de 2017

Cardeal africano adverte: é hora de a Europa fechar a torneira da imigração.


Peter Turkson, que já foi cotado para substituir Bento XVI, faz uma importante advertência aos europeus e sua nefasta doutrina politicamente correta, que abre as portas à imigração desenfreada. Ele se refere particularmente aos africanos, mas a Europa deve ter atenção especial para os muçulmanos (coisa que o cardeal não diz). De resto, há muito islamismo na África. A propósito, segue texto de Percival Puggina:


O cardeal Peter Turkson, prelado africano de maior ranking no Vaticano, disse que é hora de "fechar a torneira" da imigração africana para a Europa, que atingiu novos recordes nos últimos dias.

Perguntado sobre os recentes rumores de que as autoridades italianas estão finalmente prontas para fechar os portos e começar a retirar os navios cheios de migrantes, Turkson disse aos repórteres que chegou o momento de "desligar a faucet" da migração africana para a Europa e se concentrar nos países de origem dos migrantes.

"É como a água fluindo de uma torneira aberta", disse ele. "Não basta apenas secá-lo, você tem que desligar a torneira", acrescentou, observando que a grande maioria dos países africanos não são zonas de guerra das quais as populações devem necessariamente fugir. "Na minha opinião, podemos mudar as coisas para manter os jovens onde estão".

O Cardeal é o presidente do Escritório do Vaticano do Desenvolvimento Humano Integral, que nasceu em 1º de janeiro como uma fusão de quatro departamentos anteriores e é responsável por questões como justiça, paz, meio ambiente, saúde, ajuda humanitária e migração.

No início desta semana, os líderes italianos sugeriram que finalmente poderiam estar preparados para bloquear os fluxos maciços de migrantes que chegam do mar do norte da África, declarando que a situação atual é "insustentável". O primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, disse que a Itália "não pode continuar assim", enquanto acusava outras nações da UE de "olhar para o outro lado " - uma crítica ecoada pelo cardeal ghanês.

Turkson disse que o resto da Europa não tem "desempenhado a sua parte" no enfrentamento da crise migratória, que forçou a Itália a uma situação de emergência. Ao mesmo tempo, ele sugeriu que fechar os portos italianos não é suficiente para remediar completamente o problema, que deve ser abordado na raiz.

Conquanto "a decisão dos italianos seja interna na Europa" - disse Turkson - "não se pode cuidar dessas questões apenas na Europa".

"O grande problema é abordar esta questão em sua origem desde o ângulo de desenvolvimento, para garantir que as pessoas parem de chegar na Europa", disse o cardeal. Turkson insistiu em que sua posição de linha dura não é contraditória com a noção cristã de atuar como "bons samaritanos" com pessoas em dificuldade, mas aborda a realidade do que os países podem suportar e o que está causando a crise em última instância.

No início desta semana, cerca de 13.500 migrantes africanos chegaram às margens italianas no espaço de apenas 48 horas, levando a mídia local e os políticos a falar de uma autêntica "invasão" de imigrantes que excedia a capacidade de assimilação do país.

De acordo com números oficiais, mais de 73 mil migrantes chegaram à Itália desde o início do ano, o que representa um aumento de mais de 14% em relação ao mesmo período de 2016, quando as chegadas de registro chegaram a 64.133.
BLOG ORLANDO TAMBOSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário