quinta-feira, 22 de junho de 2017

"Para o Rio, só resta a intervenção federal ou o impeachment de Pezão", diz Picciani

Presidente da Alerj enumerou alternativas caso o acordo de recuperação fiscal não seja homologado


O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), afirmou que o Rio de Janeiro tem apenas duas alternativas caso o acordo de recuperação fiscal não seja homologado: intervenção federal ou impeachment do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). “É uma incompetência total. É um governo muito despreparado, começando pelo governador”, afirmou Picciani, em entrevista à Rádio CBN.
“Há uma constatação de uma pessoa que se elegeu através de muitos companheiros e companheiras no estado todo, mas já se elegeu com um equívoco, que eu não estava na assembleia, não percebi, que foi aquele aumento, quase que uma fraude eleitoral, em junho de 2014, onde chegou-se a aumentar a folha de pagamento em 70% e esqueceu que, na Constituição de 88, tem a isonomia para aposentados e pensionistas. Depois veio a crise do petróleo, veio a queda da arrecadação, mas o outros estados procuraram de uma forma ou de outra a se ajustar”, afirmou.
O presidente da Alerj também afirmou que alertou Pezão sobre a situação do estado. “Eu alertei a ele ainda no mês de março de 2015 , de que era preciso cortar despesas, era preciso ter austeridade, era preciso tomar uma solução para uma concessão de água mantendo uma estatal forte na área de produção”, complementou.
Picciani acusou governo Pezão de incompetência
Picciani acusou governo Pezão de incompetência
Sobre as discussões para assinatura do acordo de ajuste fiscal, o presidente da Alerj afirmou  que Pezão não tem força política e que não sabe argumentar com o governo federal. “O governo federal não está cumprindo a sua parte, e falta tudo no governo do estado. O Rio de Janeiro não pode ser tratado assim. Ele estava preparado para defender Piraí e não estava o estado do Rio.”
Picciani disse também acusou o governo estadual de não ter transparência, afirmando também que há indícios de crime de responsabilidade fiscal. Ele acrescentou que vai ter que analisar eventuais pedidos de impeachment que já tramitam e outros que podem tramitar. “A OAB mesmo anda discutindo isso de uma outra forma, mas primeiro quero ver votado as contas na Comissão de Orçamento e depois no Plenário.”
Pezão se reúne com líderes do Muspe
O governador Luiz Fernando Pezão se reuniu com os líderes do Movimento Unificado dos Servidores (Muspe) na manhã desta quinta, no Palácio Guanabara. A pauta do encontro foi a regularização dos salários atrasados, a garantia do direito a promoções e progressões, além da convocação imediata dos aprovados em concursos públicos.
Em função do encontro, o Muspe convocou servidores para realizarem uma vigília, em frente ao Palácio, durante o encontro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário