segunda-feira, 12 de junho de 2017

O ridículo voto do destemperado Napoleão.


Caros amigos
O destempero teatral do Juiz Napoleão Nunes Maia Filho, com gesto de degola aos “infieis” que, supostamente, o teriam caluniado, põe em dúvida a sua capacidade para o exercício da magistratura, a sua isenção para julgar esse processo e a forma como são indicados e nomeados os integrantes das mais altas cortes do Judiciário nacional.
Seus argumentos e a forma como os expressou autorizam a crer em complacência com os crimes de corrupção cometidos pela organização criminosa que comprou, com recursos ilícitos, o resultado das últimas eleições e, consequentemente, o poder.
Com argumentos pífios e contraditórios, acusou o Brasil de ser um país não civilizado e provou isto com a transformação do seu voto em argumento de defesa da ré, Dilma Rousseff.
É o que fico a pensar depois de, enojado, ter ouvido o seu ridículo, longo e faccioso voto!
É um direito que exerço como cidadão de um país que, apesar de todos os esforços dos corruptos e de seus simpatizantes, aliados e beneficiários, ainda é democrático!
Gen Bda Paulo Chagas

Nenhum comentário:

Postar um comentário