domingo, 14 de maio de 2017

Dilma bolada (e camuflada) no e-mail clandestino


Resultado de imagem para E-MAIL DE DILMAO charges
Charge do Miguel (Charge Online)
Merval Pereira
O Globo
Não há nada mais conhecido do submundo dos clandestinos do que esse sistema de se comunicar com outra pessoa por email sem ser rastreado, utilizado por Monica Moura e a então presidente Dilma agora denunciado pela marqueteira. O sistema é denominado de Dead Drop ou, mais frequentemente, Dead Letter Box.  Muito utilizado na espionagem internacional, ganhou notoriedade nos anos 1930 com o caso dos Cinco de Cambridge (Cambridge-Five) assim denominados os participantes de uma célula de espiões britânicos a serviço da URSS (Anthony Blunt, Kim Philby, Donald MacLean, Guy Burgess e John Cairncross) durante a chamada Guerra Fria. E popularizou-se através dos livros de espionagem do escritor britânico John Le Carré.
Os que trocavam informações secretamente deixavam o documento em algum lugar previamente combinado (uma parede com tijolo solto, um buraco de árvore) para que fosse resgatado. Assim, não se encontravam e poderiam até mesmo não se conhecer.
NO RASCUNHO… – Com a revolução tecnológica, chegou-se ao sistema atual, onde uma pessoa cria conta falsa em um provedor gratuito (Yahoo ou Gmail) e compartilha essa conta com sua contraparte.   Deixando a mensagem no rascunho, a pessoa que a recebe só precisa saber o nome da conta e a senha.
No caso de Dilma e Monica, a conta era 2606iolanda@gmail.com. O nome fictício foi uma freudiana lembrança de Iolanda, mulher do General Costa e Silva, presidente na época em que Dilma esteve presa por atividades guerrilheiras contra a ditadura militar.
Esse sistema já era utilizado pelos executivos da Petrobras para combinarem suas falcatruas, e eu noticiei isso aqui na coluna em junho de 2016. O texto dizia que “os envolvidos na venda de Pasadena trocavam mensagens em uma rede de e-mails do Gmail que não era rastreável, pois as mensagens ficavam sempre numa nuvem de dados, sem serem enviadas.Numa dessas mensagens, na véspera da reunião decisiva, há a informação de que “a ministra” já estava ciente dos arranjos dos advogados”. Essa primeira parte foi confirmada mais adiante, quando surgiram novas revelações da delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
PASADENA – Cerveró disse que Dilma Rousseff mentiu quando declarou que não sabia da propina cobrada na compra da refinaria de Pasadena. Segundo ele, não apenas sabia de Pasadena como tinha informações de que políticos do PT recebiam propina do esquema da Petrobras.
Na mesma coluna, que tinha o título “Por conta da Petrobras”, está dito que “em outras mensagens, há informações sobre pagamentos de itens pessoais da presidente pelo esquema montado na Petrobras, como o cabeleireiro Celso Kamura, que viajava para Brasília às custas do grupo. (…) Há também indicações de que um teleprompter especial foi comprado para Dilma sem ser através de meios oficiais, para escapar da burocracia da aquisição”.
Com a delação dos marqueteiros João Santana e Monica Moura, fica-se sabendo que todas as informações estavam corretas, com exceção do teleprompter. Não houve compra de um aparelho, mas a contratação de uma equipe de operadores de teleprompter, os irmãos Votmannsberger, que trabalharam na campanha de Dilma e eram os únicos técnicos de teleprompter que acertavam o ritmo de fala da presidente.
EM DINHEIRO VIVO – Para que também trabalhassem fora da época de campanha foi pedido a João Santana e Monica Moura que fizessem os pagamentos, pois o Palácio do Planalto não poderia arcar com as despesas. Os técnicos chegaram a acompanhar a presidente em viagens ao exterior, e recebiam em dinheiro vivo.
Segundo Monica, a presidente Dilma Rousseff mandou também pagar o cabeleireiro Celso Kamura porque ela “não tinha rubrica” para isso. Contratado oficialmente na campanha de 2010, já Presidente, Dilma usava seus serviços, para eventos importantes, e governo não poderia arcar com um valor tão alto para o cabeleireiro, pois em ambos os casos “não tinha rubrica e nem tempo para superar a burocracia”.
Esses “favores” eram prestados por se tratar de uma cortesia a uma cliente importante que já havia feito com eles a campanha de 2010 e existia a possibilidade de virem a fazer a campanha de 2014. A presidente mandou Mônica Moura pagar também sua camareira, “Rose alguma-coisa”, que morava com ela e “fazia seu cabelo, fazia unha, fazia maquiagem”. Foram R$ 4 mil por mês, por quase um ano, segundo relato de Monica. O favor mais político de todos foi o pagamento de R$ 200 mil também do Caixa 2 para o publicitário Jefferson Monteiro que criou o personagem Dilma Bolada, na campanha de 2014, para que mantivesse sua página nas midias sociais como se fosse um apoiador independente.
Posted in |

Nenhum comentário:

Postar um comentário