sexta-feira, 19 de maio de 2017

A limpeza dos porões precede o parto de uma República de verdade


O Brasil tem jeito, sim, escreve Augusto Nunes. A crise é sempre renovadora, pelo menos na política. Vamos enterrar a República lulopetista, carcomida, corrupta, que amarra o país na gatunagem a céu aberto e no mais repulsivo cinismo:


Em 1954, o suicídio físico de Getúlio Vargas fez com que o presidente morto continuasse politicamente vivo por pelo menos mais dez anos, ao longo dos quais seguiu influenciando fortemente a vida pública brasileira. Neste outono de 2017, o suicídio moral de Michel Temer e Aécio Neves, consumado pela divulgação das conversas com os comparsas Joesley e Wesley Batista, reduziu a zumbis da política o ainda presidente da República e o já ex-presidente do PSDB.

Graças a cenas de cafajestagem explícita protagonizadas em companhia dos donos da JBS — dois açougueiros especializados no esquartejamento da lei —, Temer e Aécio logo estarão arrastando correntes nos porões onde gemem ou uivam Lula e seus quadrilheiros.

É sempre chocante a contemplação da face escura de gente que governou, por pouco não governou ou ainda governa a Nação. Mas quem não tem bandidos de estimação também não tem motivos para acreditar que o Brasil não tem jeito. O que está morrendo é o Brasil da roubalheira impune, da gatunagem a céu aberto, do cinismo repulsivo — essa abjeção que Lula concebeu, o PT e seus asseclas alugados amamentaram, e que teria durado muitos e muitos anos se não tivesse a existência abreviada pela Lava Jato.

A República está acabando?, perguntam-se neste momento milhões de brasileiros indignados com tanta ladroagem. Resposta certa: está nascendo uma República que merece este nome. É verdade que as dores do parto poderiam ser menos agudas, mas não tenham dúvida: a República surgida desta grande crise será muito mais robusta e saudável do que a velharia a caminho do jazigo.

Como no Brasil arrasado por 13 anos de hegemonia lulopetista até tragédias têm seu lado divertido, é impossível não gargalhar diante da reação dos devotos de Lula à divulgação das conversas produzidas pelos irmãos Batista. A seita agora acredita em revelações feitas por delatores premiados e, quem diria?, nas denúncias veiculadas pela imprensa. O rebanho de fiéis vai mudar de ideia de novo quando Joesley e Wesley contarem tudo o que fizeram em parceria com o chefão do maior esquema corrupto de todos os tempos.(Veja.com).
BLOG ORLANDO TAMBOSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário